AV. ROBERTO SILVEIRA, 123 -ICARAÍ - NITERÓI - RJ

 

 
line decor
  
line decor
 

 


 

Em reunião realizada em Natal/RN, no dia 25 de novembro, a Federação Nacional dos Médicos (FENAM), elegeu a nova diretoria da Federação Regional Sudeste (FESUMED) para administração da entidade durante o biênio 2017/2019. O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região mais uma vez faz parte dessa importante entidade. O Diretor de Assuntos Jurídicos é o Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, presidente do SINMED NITERÓI, SG E REGIÃO e o vice-presidente, Dr. Dinister Leite Alves, está no Conselho Fiscal como suplente. 
A FESUMED é representada por nove sindicatos dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo. A FENAM é composta ainda por outras quatro Federações Regionais: Norte, Nordeste, Centro-oeste e Sul.
O Presidente do SINMED, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, esteve na reunião da Federação Nacional dos Médicos, em Natal (RN). Durante o encontro do Conselho de Representantes, mais uma vez o SINMED DE NITERÓI, SG E REGIÃO defendeu os médicos da sua base territorial.

REPÚDIO AO PACOTE DE MALDADES DO GOVERNO

O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região repudia mais este atentado do governo do Estado do Rio de Janeiro contra os servidores públicos. A classe médica, que faz parte dos funcionários atingidos pelo “pacote de maldades” do governador, não vai ficar calada!

O médico investe anos de sua vida na formação acadêmica. Faz inúmeros cursos de especialização e atualização, passando noites insones na rotineira luta de salvar vidas.

No Estado do Rio de Janeiro falido administrativamente, os médicos ainda mantêm emergências de hospitais e UPAs funcionando, mesmo com um salário aviltante de R$ 2.684,99.

E depois de 40/50 anos de serviço público, o médico se aposenta com míseros R$2.591.00.

E o governo do estado transformou o que era indigno em desprezível, com seu projeto de retirar os direitos e as garantias dos servidores.

Com a precarização do trabalho médico, exercemos nossa digna profissão em serviços sucateados, sem equipamentos e medicamentos. Nós, médicos, não paramos para somar as horas de trabalho semanal em nossas diversas atividades, são vários subempregos e salários aviltantes com enorme perda física e emocional.

A CLT preconiza 44 horas de trabalho semanais, e a tendência e a redução desta carga horária, pelo aparecimento de novas tecnologias, com valorização da qualidade de vida. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomenda que pelo desgaste de nossa atividade, não se ultrapasse às 30 horas de trabalho semanais. Com a proliferação de Organizações Sociais ou pagamentos através de RPA (Recibo de Pagamento Autônomo),não temos férias, 13º salário, FGTS, nem outras garantias legais das demais atividades laborativas.

Mas estamos muito longe desse ideal, com sacrifícios de longas horas de árduo trabalho para uma digna sobrevivência, com sustento familiar e honrar diversos compromissos. A grande maioria dos médicos trabalha mais de 70 horas por semana, acumulando quatro ou mais subempregos com seus péssimos vencimentos, na tentativa de uma vida melhor.

Há, intencionalmente, uma total desvalorização do profissional médico, assim como do seu salário em todos os níveis: municipal, estadual e federal. Trabalha-se sem as mínimas condições, sem um salário condizente, mas temos que ter cada vez mais competência técnica e científica.
Até quando seremos passivos com o que ocorre? Até quando não lutaremos por emprego único, salário digno e carreira de estado? Sacerdócio sim, mas com total dignidade nas condições de trabalho e salariais.

Não podemos ceder mais!

Clóvis Abrahim Cavalcanti PRESIDENTE SINMED DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO

..................................................................................

OBRIGADO, DR. IVO PITANGUY!

O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região lamenta o falecimento do Dr. Ivo Pitanguy. Deixamos registrada nossa homenagem póstuma à sua genialidade como cirurgião plástico, reconhecido no mundo inteiro e que transformou a vida de milhares de pacientes, famosos e anônimos. Formou gerações de alunos, novos cirurgiões que aprenderam com ele a respeitar e valorizar a autoestima dos pacientes. Também criou a 38ª Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, que atendia pacientes de baixa renda.
Niterói tem pelo Dr. Ivo Pitanguy uma gratidão eterna, pois no trágico incêndio no Gran Circus Norte-Americano na tarde de 17 de dezembro de 1961, o Dr. Ivo Pitanguy se deslocou do Rio para Niterói e, de forma voluntária, ajudou no socorro das vítimas. Com 3.000 pessoas na plateia, o circo foi completamente devorado pelas chamas. 372 pessoas morreram na hora e, aos poucos, vários feridos morriam, chegando a mais de 500 mortes, das quais 70% eram crianças.

 

DESCREDENCIAMENTO DE MÉDICOS
PELAS OPERADORAS PREJUDICA PACIENTES

O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região tem recebido diversas denúncias de médicos conveniados, que estão sendo descredenciados por operadoras de planos de saúde. Nas suas queixas, os profissionais reclamam que não existe qualquer explicação para este procedimento. Isso caracteriza descumprimento da Lei 13.003/2014, que determina que a retirada de um médico seja substituída por um prestador equivalente, e mediante comunicação aos profissionais credenciados e aos usuários.
Para o presidente do SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, este descredenciamento prejudica os pacientes, que perdem a continuidade dos seus tratamentos, sendo obrigados a procurar outro médico credenciado, retardando o processo e a dinâmica para sua cura.
Ainda segundo o presidente do SINMED, “a resolução do Conselho Federal de Medicina n° 1.616/2001, impede o descredenciamento unilateral e sem justa causa. A resolução diz que a empresa deve informar ao médico, por escrito, as razões do descredenciamento, fundamentando e justificando a medida, além de conceder um prazo para a apresentação de defesa. Além disso, o consumidor deve ser informado do desligamento do seu médico.”

 

MINISTRO DA SAÚDE DIZ QUE PACIENTES
DOS SUS IMAGINAM ESTAR DOENTES


O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que “a maioria dos pacientes que procuram atendimento em unidades de atenção básica da rede pública apenas "imagina" estar doente, mas não está. De acordo com o ministro, é "cultura do brasileiro" só achar que foi bem atendido quando passa por exames ou recebe prescrição de medicamentos, e esse suposto "hábito" estaria levando a gastos desnecessários no SUS (Sistema Único de Saúde).”

NOTA DO SINMED NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO - Sabendo do problema, porque o ministro não executa as soluções? O bilionário orçamento da Saúde deve ser investido em ambulatórios que procedam o atendimento primário, que tenham à disposição da população, pelo menos, serviços de pediatria, clínica médica e ginecologia/obstetrícia e odontologia. No atendimento secundário, a população deve ter acesso aos especialistas, que indicarão os exames complementares a serem feitos. Para isso, é obrigação do Estado investir em laboratórios de análises clínicas e serviços de diagnósticos por imagem. No Brasil, por exemplo, fecham unidades e demitem profissionais de saúde de forma desproporcional às necessidades dos cidadãos. Isso leva à superlotação de emergências e acúmulo de trabalho dos médicos.
O ministro da Saúde, que é engenheiro civil e empresário, sugere que os médicos façam uma investigação mais criteriosa do paciente, antes de solicitar exames ou prescrever remédios. 
Já os médicos e o povo esperam que o ministro cumpra a Constituição Federal que diz no seu Artigo 196 : “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”

 

BAIXOS SALÁRIOS EM CONCURSOS PÚBLICOS
 

Em pesquisa realizada pelo CFM, baseada em concursos públicos neste ano, constatou-se que a remuneração de atividade médica no serviço público sofreu expressiva queda.
Mais da metade dos salários oferecidos (52,58%) não ultrapassa R$8 mil mensais, entre os vencimentos previstos para uma carga horária de 20 horas semanais. 
Teve prefeitura que em seu edital ofereceu R$1.166,00 por 40 horas semanais. 
Vale ressaltar que o piso nacional do médico que tramita no Congresso é de R$12.993,00.

 

REVALIDA DÁ SEGURANÇA AO PACIENTE

Ao permitir que médicos formados em outros países atuem no Brasil antes de aprovação do exame de revalidação de diplomas de Medicina obtidos no exterior (Revalida), o Governo coloca em risco a saúde da população e não soluciona o problema da falta de médicos em algumas regiões e em determinados serviços públicos de saúde no Brasil. Os estrangeiros são muito bem-vindos ao território nacional, mas é preciso – assim como em qualquer país desenvolvido – se submeter a um filtro de qualidade, porque senão vamos oferecer à sociedade brasileira um Medicina que não podemos aferir. A população corre sérios riscos. Há informações de que já tramitam inclusive propostas que incluem outras nacionalidades no Programa Mais Médicos, fazendo com que mais estrangeiros entrem no país de forma “provisória”.
O Revalida foi criado por meio de uma portaria interministerial, em 2010, e tem sido aplicado desde então, anualmente. A média de aprovação anual desta prova está em 20%. O número aponta as carências na formação dos candidatos, que demonstram desconhecimento de sintomas, técnicas e procedimentos exigidos de um egresso de uma escola médica brasileira que ainda não passou por uma especialização.

 

UTOPIA DO DESCASO EM MARICÁ

Utopia tem como significado mais comum a ideia de civilização ideal, imaginária, fantástica. Pode referir-se a uma cidade ou a um mundo, sendo possível tanto no futuro, quanto no presente. Pode também ser utilizado para definir um sonho ainda não realizado. 
E no último final de semana a Prefeitura de Maricá gastou 4 milhões de reais num evento chamado Festival Internacional da Utopia. Foi uma festa que reuniu celebridades nacionais e internacionais, música para o povo, enfim uma pequena farra da “companheirada”.
Enquanto erguiam-se brindes à fantasia, moradores de Maricá, necessitando de atendimento médico digno e urgente, penavam nas calçadas do decadente Hospital Municipal Conde Modesto Leal ou na UPA de Inoã, Ambas as unidades de saúde estão carentes de tudo, desde medicamentos e insumos ao quadro de profissionais. Muitos desses pacientes são direcionados para os hospitais estaduais Alberto Torres, em São Gonçalo, ou Azevedo Lima, em Niterói.
Se utopia remete a lugar que não existe, os 4 milhões de reais que bancaram essa festa poderiam ter transformado o único Posto de Saúde num lugar cuja realidade é prioritária, pois ali se cuida de vidas de pessoas não imaginadas.
NAS FOTOS: A FESTA DA UTOPIA E A REALIDADE DA SAÚDE.

 

DEBATE SOBRE SAÚDE PÚBLICA

O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região esteve presente, representado por seu presidente Dr. Clóvis Abrahim Cavalcantii, no debate sobre saúde pública. O evento foi realizado neste sábado (18/06), na sede da Associação Médica Fluminense, e contou com representantes da SOMERJ, AMF, CREMERJ, AMB. Temas como Organizações Sociais, precariedade do trabalho médico, honorários dos médicos e demais problemas que prejudicam a medicina foram amplamente debatidos.

 

TRABALHADOR QUE NÃO CONTRIBUI COM SINDICATO
 NÃO TEM DIREITO AOS BENEFÍCIOS

Ao julgar o caso de um trabalhador que se recusava a contribuir com o sindicato de sua categoria, o juiz Eduardo Rockenbach Pires, da 30 Vara do Trabalho de São Paulo, decretou que o trabalhador não tivesse direito de receber os benefícios previstos no acordo coletivo.
"O trabalhador sustentou não ser sindicalizado e, por isso, negou-se a contribuir para a entidade sindical. A despeito disso, não menos certo é que as entidades sindicais devem ser valorizadas, e precisam da participação dos trabalhadores da categoria (inclusive financeira), a fim de se manterem fortes e aptas a defenderem os interesses comuns", defendeu o juiz. A sentença proferida é referente ao processo nº 01619-2009-030-00-9, item 6.
Em outras palavras, o juiz disse ser justo que o autor não se beneficie das vantagens negociadas pelo sindicato a favor da categoria, já que o mesmo se recusa a contribuir com a entidade.

Para o movimento sindical esta é uma decisão muito importante, que abriu jurisprudências para decisões semelhantes em outros casos. A justiça do trabalho começa a reconhecer a importância da manutenção dos sindicatos para a luta em benefício das categorias que representam.  Isso vem fortalecer o movimento sindical, já que a primeira estratégia para enfraquecer os sindicatos tem sido a política de não contribuir com a entidade. Cada trabalhador precisa saber claramente que o sindicato existe para garantir os direitos dos trabalhadores através das Convenções Coletivas de Trabalho que são negociadas todos os anos com os patrões. Mil trabalhadores juntos tem mais força pra negociar um aumento salarial.

 

SOLENIDADE NO DIA MUNDIAL DA SAÚDE

O Dia Mundial da Saúde, comemorado em 7 de abril, teve como seu ponto alto em Niterói um debate na Associação Médica Fluminense. Na ocasião, o presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, destacou que para melhorar a saúde pública é necessário e urgente que se aprimore a dotação orçamentária para o atendimento básico/primário à população, desafogando, assim, as UPAs e emergências dos hospitais. Disse, também, que é necessário melhorar a valorização do trabalho médico, criando a carreira de estado, PCCS (Plano de Cargos, Carreira e Salários), concurso público com salários dignos, capacitação e atualização profissionais e ambientes de trabalho salubres/ergonômicos, com segurança e equipados. Sobre o tema "como melhorar a formação médica", o Dr. Clóvis Cavalcanti disse que é fundamental equipar universidades já existentes, não abrir novos cursos de medicina, investir na capacitação e atualização do corpo docente, inclusive com salários dignos, maior incentivo à pesquisa e abertura de vagas para residência médica.
O encontro teve como mediador o presidente da AMF, Dr. Benito Petraglia, e os debatedores Dr. Nelson Nahoun (CREMERJ), Dr. José Ramon Varela (SOMERJ), e Dr. Luiz Augusto Pinheiro (Professor da UFF).

SINMED DE NITERÓI, SÃO GONÇALO

E REGIÃO COMEMORA 45 ANOS

No dia 23 de março o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região completa 45 anos de fundação. Em mais de quatro décadas de criação o SINMED esteve presente em todas as frentes de lutas, defendendo a medicina e os médicos. O SINMED é uma entidade que mantém acesa a chama da dignidade médica, por isso que, com suas denúncias e reinvindicações, passou a ser respeitado na sua base territorial, que abrange nove municípios. 
Essa dedicação é inspirada naqueles que, em 1971, criaram o Sindicato dos Médicos, na Rua da Conceição, no Centro de Niterói. Nos episódios mais recentes, de 2015 para cá, o SINMED promoveu inúmeras reuniões e assembleias na sua sede, quando foi discutida a crise na saúde pública e o que ela afeta a profissão médica. Também participou de diversos encontros no Conselho Regional de Medicina (Cremerj), buscando soluções para os problemas enfrentados pela classe. Junto ao Ministério Público do Trabalho o SINMED, através de ofícios e reuniões, denunciou atrasos de pagamentos, condições precárias de trabalho, descumprimento das Convenções Coletivas de Trabalho e da Consolidação das Leis do Trabalho, proporcionando mais dignidade ao trabalho do médico.

 

REUNIÃO COM FEMERJ DISCUTE ACORDO

O presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti presidiu uma reunião entre a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) e a Federação das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro (FEMERJ), na sede do SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região para tratar da Convenção Coletiva de Trabalho com as Entidades Filantrópicas do Estado do Rio de Janeiro. Foram discutidos os termos e condições da minuta da convenção remetida pelo Sindicato das Santas Casas de Misericórdia do Rio de Janeiro. Ficou decidido que os representantes da FEMERJ levariam para assembleia as propostas do piso salarial e cargas horárias propostas para posterior deliberação da Fenam.

 

FISCALIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região vê com otimismo entidades fiscalizadoras (Tribunal de Contas, Ministério Público e Alerj) avaliando os contratos entre o governo e as Organizações Sociais que administram unidades de saúde no Estado do Rio de Janeiro. Que sejam punidos os infratores se alguma irregularidade ficar provada, por uso indevido do dinheiro destinado à Saúde.
E que a população não sofra com o desabastecimento devido à falta de insumos, assim como os médicos não fiquem sem seus salários, como vem acontecendo desde o ano passado.

 

 

 

SINMED PARTICIPANDO DA LUTA!

 

"SAÚDE DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO"

Crise sem precedentes na saúde publica do Estado Rio de Janeiro.
Os médicos, continuam trabalhando em precárias condições com total desabastecimento nas UPAS e hospitais, apesar de não terem recebido seus salários de outubro, novembro e 13º. O nosso Sindicato, o CREMERJ, a FENAM e o Ministério Público, estão unidos para a normalização do atendimento a população, assim como, o recebimento dos salários atrasados.

 

MÉDICO É AGREDIDO POR PACIENTE EM UNIDADE DE SAÚDE NO LITORAL SUL DO RN

Um paciente agrediu o médico Antônio Andrade com socos e pontapés dentro de um hospital público em Tibau do Sul, Rio Grande do Norte. Guilherme Faria chegou à unidade de saúde com um corte na cabeça. E depois de 20 minutos de espera, começou a gritar exigir atendimento imediato. O médico Antônio Andrade, que atendia outro paciente, parou o que estava fazendo e tentou acalmá-lo, mas acabou levando socos e chutes. O médico prestou queixa por lesão corporal. O agressor foi preso e depois liberado. Ele disse que estava nervoso e que cometeu uma ação impensada.

O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região presta total solidariedade ao Dr. Antônio Andrade e, mais uma vez, denuncia a falência da administração pública na Saúde, pois no momento do crime contra o médico, não existia um só agente de segurança no local. O SINMED também acentua que, além das desculpas do agressor, este deve sofrer as penalidades da Lei. Matar e pedir desculpas não traz a vida de volta, assim como agredir física e moralmente um médico no seu ambiente de trabalho, na frente de outros pacientes, fragiliza não só a vítima como todo o sistema. Numa gestão de saúde pública falida, não pode o médico que vai trabalhar, promover milagres e nem ser o responsável pelo caos. Isso cabe aos sempre ausentes administradores.

 

JORNAL A TRIBUNA - 28/11/2015

A PREVENÇÃO É A ÚNICA ARMA CONTRA A DOENÇA.

A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

 

 

O SINMED NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO, SEMPRE PRESENTE NAS LUTAS POR MELHORES CONDIÇÕES DE SAÚDE PARA TODOS!

SINMED ESTEVE PRESENTE NO ATO EM DEFESA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO.

 

SINMED NITERÓI  E REGIÃO PRESENTE NA REUNIÃO  DA FENAM.

Lutando pelos médicos!

 

O SINMED  PARTICIPOU DAS HOMENAGENS  NA AMF DO DIA DO MÉDICO.

MÉDICOS SEM FRONTEIRA

SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região presta total solidariedade à Organização Médicos Sem Fronteiras pelo brutal atentado sofrido no Afeganistão, durante ataque aéreo sobre o hospital em que estes abnegados profissionais da Saúde trabalhavam para salvar vidas. Se já não bastasse a morte moral dos médicos, na impotência de salvar pacientes e pelo abandono da saúde pública por seus gestores, vê-se aqueles que praticam ato humanitário morrendo pela estupidez das chuvas de bombas disparadas em guerras fratricidas. Os assassinos pedem desculpas. Desculpar o quê??? Não há perdão para quem mata doentes e voluntários que estão ali para salvar vidas. Como não há perdão para desvio de dinheiro público causando fechamento de hospitais, falta de remédios, aparelhos e demais insumos que também faz a população padecer com essa irresponsabilidade!

Hashtags #independentinvestigation #kunduz

 

O SINMED PARTICIPOU DO FÓRUM INTERSINDICAL DO LESTE FLUMINENSE, NA CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI, DEFENDENDO MELHORIAS NA SAÚDE PÚBLICA.

Clique na imagem para ampliar.

 

DENÚNCIA

Fitas que monitoram glicose de diabéticos estão em falta em postos de São Gonçalo, no RJ

Pacientes com diabetes estão com dificuldades para adquirir nos postos de saúde as fitas usadas para medir a taxa de glicose. Elas são fundamentais para se monitorar a doença e deveriam ser distribuídas gratuitamente a pacientes cadastrados.

 

05 DE AGOSTO - DIA NACIONAL DA SAÚDE

Dia 5 de Agosto é o Dia Nacional da Saúde, mas não é somente neste dia que se deve cuidar dela.
A saúde resulta de um equilíbrio físico, orgânico e mental do nosso organismo, conquistado no dia-a-dia. Esse equilíbrio é adquirido através de vários fatores, como uma boa alimentação à base de frutas, verduras, carboidratos, proteínas, pouca gordura e muita água; um bom descanso; alguma atividade física; cuidados com a higiene pessoal; horas de lazer.
O cuidado com a saúde é um hábito que todos devem ter. É importante lembrar de nossa saúde diariamente!
Lamentável é  ter muito pouco o que comemorar!

 

ACORDO COLETIVO


Após longas negociações, foi homologada a Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região e Sindicato de Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde de Niterói e São Gonçalo, retroativa a 1 de janeiro de 2015.
VEJA DETALHES DA CONVENÇÃO EM
"ACORDO COLETIVO 2015"

 

GOVERNO COMEMORA DOIS ANOS DE MAIS MÉDICOS

O governo está comemorando dois anos do programa mais médicos,  no entanto, a saúde pública continua abandonada em todo país e os pacientes continuam sendo atendidos no chão em péssimas condições. Não faltam médicos, faltam condições de trabalho!

 

NOSSO DEVER:

"CURAR QUANDO POSSÍVEL,
ALIVIAR QUANDO NECESSÁRIO,
CONSOLAR SEMPRE".

HIPÓCRATES

 

ABSURDO!

Enquanto o reembolso aos usuários pelos planos de saúde é superior aos honorários pagos aos credenciados, na contramão da história, os Sindicatos Médicos são "tachados de cartel", ao reivindicarem a implantação da CBHPM.

 

EMPREGADO QUE NÃO CONTRIBUI COM SINDICATO NÃO TEM DIREITO AOS BENEFÍCIOS PREVISTOS EM CONVENÇÃO COLETIVA

O Juiz da 30ª Vara do Trabalho de São Paulo sentenciou como inaplicável as vantagens negociadas para a Convenção Coletiva de Trabalho aos empregados não sindicalizados. Ou seja, a aqueles que não contribuem com a entidade sindical de sua categoria não cabem também o direito de usufruir dos benefícios previstos na Convenção Coletiva.
A sentença proferida é referente ao processo nº 01619-2009-030-00-9, item 6.
Em sua transcrição, o Juiz Eduardo Rockenbach Pires defendeu o trabalho das entidades sindicais e destacou a importância da participação do trabalhador da categoria. “Item 6 - O autor sustentou não ser sindicalizado e, por isso, negou-se a contribuir para a entidade sindical dos trabalhadores.
A despeito disso, não menos certo é que as entidades sindicais devem ser valorizadas, e precisam da participação dos trabalhadores da categoria (inclusive financeira), a fim de se manterem fortes e aptas a defenderem os interesses comuns. Aliás, como qualquer associação de particulares.”
Baseado neste argumento, o Juiz disse ser justo que o autor não se beneficie das vantagens negociadas pelo sindicato a favor da categoria, já que o mesmo se recuse em contribuir com a entidade. “Por estas razões, não procedem os pedidos pertinentes a direitos previstos na convenção coletiva de trabalho, conforme os tópicos respectivos”, conclui o Juiz referente ao item da Inaplicabilidade da Convenção Coletiva de Trabalho

Cabe ressaltar que a sentença citada serve como parâmetro para outros processos, reforçando os objetivos do sistema sindical e destacando ainda mais a importância das negociações e das convenções coletivas de trabalho.

 

A DEFESA DA CATEGORIA É UM DIREITO CONSTITUCIONAL SINDICAL

Art. 8º - III – da Constituição Federal de 1988.

“Ao Sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas.”

CARTEL NÃO É LUTAR POR MELHORIAS PARA SUA CLASSE!

Apesar das tentativas ditatoriais de cercear as entidades médicas sindicais de defenderem os direitos e interesses da sua categoria, continuamos em união nacional com nossa garantia constitucional, de lutar por melhorias salariais dos médicos por nós representados.

Quem não luta por seus direitos, não quer a vitória!

 

O SINMED  PARTICIPOU NA OAB - SG, DO FÓRUM "A CRISE NA SAÚDE", DEFENDENDO A CLASSE MÉDICA E A SAÚDE  PÚBLICA.

Doutores. Clóvis Cavalcanti, Aécio Nanci, Dimas Gadelha e a Juiza Denise Apolinário.

 

A VALORIZAÇÃO DA PEDIATRIA

Há muito sobram vagas nas residências de Pediatria, assim como para os concursos nessa especialidade.
Muitos pediatras deixaram suas funções para se especializarem em outras áreas da medicina, com melhores vencimentos e valorização, menor carga emocional, horário definido, sem receber telefonemas 24 horas por dia, 31 dias por mês, para fazer milagres, tendo que, além dos problemas físicos do seu paciente, resolver conflitos emocionais dos familiares.
Na Pediatria, cuida se da saúde física, mental, espiritual, social, dentre outros, não só da criança, mas de toda a família, tendo que aconselhar, orientar, indicar outros especialistas, colégio, exercícios, esportes, e outros,  enfim, exercendo o consagrado “Médico da Família”.
Na Puericultura, ouve-se mãe, pai, avós, tios, familiares, babá, vizinha, etc., acompanha-se o desenvolvimento pondero estatural, motor e emocional, perímetro cefálico e abdominal, vacinas, alimentação e todas as observações sobre o paciente, além de um completo e total exame físico, orientando e explicando à mãe e familiares, quantas vezes necessárias até a completa compreensão de todos. Sem falar nas fraldas “repletas”, deixadas dentro do consultório e “chuvas” nas mesas de exame.
É, portanto, a consulta de Puericultura diferenciada e demorada, sendo  valorizada na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), mas ainda não acatado o seu pagamento pelos planos de saúde, em todos os estados, apesar das reivindicações.
O Exame do Reflexo Vermelho é obrigatório por lei para ser feito pelos pediatras ainda em sala de parto, ou na primeira consulta de Puericultura, e também consta na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Mas mesmo sendo lei e constar na CBHPM, também nem todos os planos de saúde estão pagando por ele, apenas alguns já liberam os seus honorários para os pediatras.                                              
O nosso sindicato, junto com a Sociedade Brasileira de Pediatria, está com mais essa bandeira de luta em sua base territorial, para pagamento dos dois procedimentos que já constam na CBHPM, e conclama todos os pediatras para participarem desta justa luta para a valorização de todos, e principalmente da Pediatria.

Quem não luta por seus direitos não quer a Vitória!

Clóvis Abrahim Cavalcanti
PRESIDENTE SINMED DE  NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO 

MÃE: NÃO SE DEIXE ENGANAR. SEM
PEDIATRA SEU PARTO É DE MUITO RISCO!

O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e região repudia a proposta do Ministério da Saúde, que discute a obrigatoriedade de um médico pediatra acompanhar partos cesáreas. A intenção do MS é possibilitar a substituição do especialista por outro médico ou mesmo enfermeiro. No documento elaborado pelo Ministério da Saúde, encontra-se ideias enrustidas de que não há necessidade de todo aparato profissional e de suporte estrutural, para todos os partos, e que estes são procedimentos rotineiros que dispensam cuidados mais acurados, especialmente de pediatras.

A participação do pediatra no trabalho de parto é uma conquista de mais de 30 anos. Todos sabemos, principalmente mães e médicos, a diferença que pode fazer a presença do pediatra, pois muitas complicações podem surgir. O que quer o governo: atrofia e paralisia cerebral, dentre outros riscos graves? Então não podemos ficar calados e passivos, assistindo esta barbaridade elaborada pelo Ministério da Saúde.

Devemos ainda considerar a estrutura dos hospitais públicos e a enorme demanda diária nesses locais. Como não ter um pediatra em todos os partos? 
Mãe, não se deixe enganar. Sem pediatra seu parto é de alto risco!

O SINMED DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO CONTINUA DIALOGANDO COM OS GESTORES PARA RESOLVER MAIS ESSE GRAVE PROBLEMA NA SAÚDE. 

O atraso no repasse das verbas do Governo do Estado do Rio de Janeiro para o pagamento dos profissionais da Saúde nos hospitais terceirizados, está acarretando problemas para médicos e demais funcionários em cumprirem seus compromissos, e demais atos do cotidiano. No entanto, todos continuam trabalhando e atendendo normalmente, sem prejuízo dos pacientes. O Sinmed  espera uma resolução rápida do fato, que já se prolonga por dois meses.

O Presidente do Sinmed fez reunião com a Diretoria do HEAT, apresentando as preocupações da classe, com a atual situação do repasse de verbas do Governo do Estado para a saúde, acarretando quebra do calendário nos pagamentos dos médicos. Dentre outros problemas.

 

 

O SinMed Niterói  presente na reunião  da FENAM Sudeste,  lutando por mais saúde  para todos  e mais verbas   para o SUS.

O SinMed homologa Convenção coletiva de Trabalho com a Federação das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro - FEMERJ, e com o Sindicato dos Hospitais Clinicas e Casas Saúde de Niterói.

 

SINMED PARTICIPOU, EM DEFESA DA CLASSE, DA REUNIÃO ANUAL DA FENAM.

 

MAZELAS NA SAÚDE: GOVERNO TRANSFERE CULPA

 PARA CLASSE MÉDICA SOB A MÁSCARA DE “RACISMO”

Ministério da Saúde e Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal “resolveram as mazelas da má gestão da saúde pública, produzindo uma propaganda milionária, colocando a culpa nos médicos, taxando-os de racistas. A campanha, lançada no final de novembro, desconsidera os problemas estruturais do SUS, e panfleta que “Racismo faz mal à Saúde. Denuncie!”  

                O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, diante da auditoria feita  pelo Tribunal de Contas da União e pelos depoimentos dos que se utilizam da saúde pública, e em defesa da classe médica, conclui que quem discrimina, martiriza e desrespeita os mais elementares direitos humanos no Brasil é o próprio governo. Lamentamos que usem de cinismo e hipocrisia para evitarem o enfrentamento que envolve vidas. Somos 400 mil médicos no país que obedecemos o Código de Ética Médica, que estabelece que os médicos devem zelar para que as pessoas não sejam discriminadas por nenhuma razão vinculada à  herança genética, protegendo-as em sua dignidade, identidade e integridade.”

                A culpa não é do médico ou de um suposto atendimento seletivo no SUS. O Governo deveria, se não consertar o problema, pelo menos não transferir culpa de maneira tão torpe e criminosa, pois essa insinuação racista e caluniosa, tende a jogar a população contra os profissionais de Saúde, assim isentando-se o governo da questão.

Profissionais de Saúde e pacientes (negros e brancos) padecem com as precárias condições de trabalho e de atendimento oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Basta ligar a TV ou abrir um jornal impresso para ver cenas de cidadãos (homens, mulheres, crianças, idosos, negros, brancos) jogados em corredores, em ambientes imundos e insalubres, sem aparelhos para diagnósticos, medicamentos e até mesmo papel higiênico nos banheiros.

Será essa a política de direitos humanos e igualdade racial tão preconizada pelo Governo federal no SUS?

Médicos e demais profissionais de Saúde fazem o SUS funcionar, não identificando o cidadão por gênero ou raça. É tarefa dos gestores (governos federal, estadual e municipal) ter vontade político/administrativa  para que esse atendimento apresente um padrão mínimo de humanidade, até porque isso é um dever constitucional. Também é obrigação de quem dirige a nação pôr fim ao desrespeito aos princípios constitucionais do SUS (universalidade, equidade, integralidade), o que configura uma agressão aos direitos individuais e coletivos e à dignidade humana.

Pacientes jogados em corredores é Violação Sistemática dos Direitos Humanos. É afronta a dignidade humana.

E é com isso que Ministério da Saúde e Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal devem se preocupar!

 

O CONCEITO DE JUSTIÇA SOBRE ERRO MÉDICO E MEDICINA

Por Ricardo Jobim – Advogado

Após trabalhar em diversos casos de alegado erro médico, na condição de profissional que acompanhou tantas angústias decorrentes da simples existência de um processo, resolvi ousar tecer algumas breves considerações sobre o que anda acontecendo no campo da responsabilidade profissional.
Poderia abordar uma infinidad...e de aspectos. Quem sabe escrever um livro técnico que ninguém, a não ser juristas que atuam em Direito Médico, se interessaria. Quem sabe divulgar novamente dados estatísticos sobre a especialidade mais exposta ou então sobre a judicialização da área da saúde, assunto que tornou os profissionais da saúde não só tensos, mas também desmotivados.
Mas o fato é que quase todos os processos decorrem de incompreensões. De ânimos mal administrados, de expectativas sobre processos empáticos mal sucedidos. De uma psicologia verificada em ambientes onde as tragédias são diárias, os desgastes são infinitos, e onde os profissionais precisam ser objetivos e valorizar a ciência acima de tudo.
Não deve ser fácil ser médico. Lidar com emoções supremas, interagir com esperanças e fé, lutos e negações de pacientes e familiares, conviver todos os dias com os extremos da vida e da morte.
E ter que ser humano ao mesmo tempo.
Lembrar o juramento de Hipócrates, chegar em casa cansado, se olhar no espelho, e ter que conviver com a sensação de impotência que a ciência traz – a certeza de que fazer o possível ou o recomendável pode não ser o bastante.
Não ter bola de cristal. Não ser capaz de ser um super-humano. Conviver com estruturas arcaicas, muitas vezes tendo a horrenda tarefa de optar por sacrifícios em nome de prioridades, numa insanidade de abandono estatal que só pensa em política ou em trazer gente desqualificada de fora do país.
O que vejo é uma exigência social que demanda uma Medicina exercida por Deuses, e não por humanos.
E uma política que usa uma classe profissional inteira como bode expiatório para desviar outros focos, como a palhaçada no senado no caso da emenda 29, ou o abandono da saúde pública aliada da intenção de exterminar a saúde privada.
E uma sociedade que se rende a qualquer argumento simplista de um especialista de Google, que não consegue entender que somente anos de estudo e dedicação podem proporcionar iluminação científica.
Ao fim é isso. Os críticos realmente acham que ninguém é bom. Que todos têm a obrigação de uma cura como se tratasse de um simples conserto de computador.
Quando a única verdade é que os maiores críticos somente surgem, com suas bolas de cristal, depois que os fatos ocorrem. Assim é fácil.
Espero que algum dia a sociedade possa ver no profissional da Medicina, e da área da saúde em geral, a verdade: Uma pessoa com uma nobre missão. E que entrega sua vida em nome disso. Nada mais, nada menos.

 

DIRETORIA DO SINMED DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO TOMA POSSE!

Em noite que reuniu vários segmentos da sociedade,  tomou posse na última sexta-feira (7/11), a diretoria do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, para o triênio 2015/2017, tendo à frente o pediatra Clóvis Abrahim Cavalcanti como presidente. A solenidade, seguida de um coquetel animado pela banda DelesDelas, aconteceu no salão nobre da Associação Médica Fluminense. Representantes de entidades médicas, sindicais e políticas, nacionais e estaduais, discursaram saudando a diretoria do Sinmed de Niterói São Gonçalo e Região, frisando sempre a palavra “coragem” como marca registrada da filosofia de trabalho que Clóvis Cavalcanti já desenvolve há quatro mandatos. Fizeram uso da palavra Murilo Pinheiro, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Universitários, Heraldo Victer, da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro, Benito Petraglia, presidente da Associação Médica Fluminense, Erivelder Guimarães, diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo e o  vereador niteroiense Beto da Pipa.
Depois de apresentar cada membro de seu quadro diretivo, o presidente Clóvis Cavalcanti agradeceu as palavras elogiosas proferidas, os telegramas de congratulações que recebeu, dentre eles dos Ministros da Saúde e do Trabalho e Emprego, Arthur Chioro e Manoel Dias, do governador Luiz Fernando Pezão, do Secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro,  Marcos Musafir, do promotor de Justiça de Tutela da Saúde Região Metropolitana 2, Rafael Schinner, do deputado estadual Felipe Peixoto, entre outros.  Em seu discurso de posse, Clóvis Cavalcanti enfatizou a defesa da saúde pública, da medicina e da população. Citou as várias frentes de lutas lideradas pelo Sinmed, no âmbito regional e nacional, já que ele também fez parte da diretoria da Federação Nacional dos Médicos e presidente da  FENAM Regional Sudeste (Fesumed) até agosto deste ano. Ressaltou que através de movimentos sindicais e pronunciamentos na mídia, criticou o governo por querer sempre colocar a culpa nos médicos pelo sucateamento, abandono e a falta de financiamento no SUS. Protestou, também, pela falta de equipamentos, medicamentos e leitos, exames protelados por longos prazos, agravando as doenças e ocasionando mortes dos pacientes, doentes morrendo nas filas e no chão dos hospitais. Destacou os salários aviltantes dos médicos e os honorários defasados no SUS e nos planos de saúde. Clóvis Cavalcanti lembrou que não é contra a vinda de médicos estrangeiros. Contudo, solicita ao governo que esses médicos do Exterior se submetam a uma prova de conhecimentos técnicos e do idioma português, para que se tenha qualidade no atendimento prestado. Essa prova chama-se REVALIDA e é realizada pelo próprio governo federal através do Ministério da Educação. “Não devemos colocar em risco a saúde da população, principalmente dos mais carentes, com profissionais de qualificação não comprovada. Por isso repudiamos a tentativa do governo em promover tal prática.”  
Finalizando seu discurso, o presidente Clóvis Cavalcanti , numa alusão à música “Eu sonhei que tu estavas tão linda”, de Lamartine Babo e Francisco Mattoso, discorreu sobre a Saúde que o povo anseia, exige e merece:
                “Certa manhã deparei-me andando pelos hospitais do SUS, e qual não foi minha surpresa ao ver todos, sem exceção, pacientes e profissionais da Saúde, sorrindo e contentes.
                Na recepção, todos aguardavam sentados, não existiam filas e o ambiente era limpo, calmo, climatizado, com uma suave música ambiente.
Os consultórios eram arejados, iluminados, completamente equipados, proporcionando aos médicos e pacientes segurança e certeza das resoluções.
                Os exames, dos mais simples ao mais complexo, eram feitos no mesmo dia, e seus resultados rápidos, favoreciam imediato início do tratamento, quando necessário, aumentando a garantia da cura e do pronto restabelecimento do paciente, com total satisfação pessoal dos médicos.
                As doenças, eram coisas do passado, todos eram imunizados e faziam seus exames periódicos preventivos, mas quando necessário, os medicamentos que nunca faltavam, eram fornecidos prontamente, além de nova consulta agendada para reavaliação.
                Existindo necessidade, eram formadas juntas médicas para que os diagnósticos e tratamentos não fossem protelados.
                Ninguém saia sem conclusão de sua enfermidade, tratamento e nova consulta marcada.
                Todos que lá trabalhavam faziam cursos de reciclagem e atualização, aumentando seus conhecimentos em benefício da população.
                Os salários eram dignos, todos os médicos possuíam carreira de estado com Plano de Cargos e Salários, férias regulamentares e todas as garantias trabalhistas.
                Há muito não existiam contratos provisórios, muito menos terceirização do trabalho médico.
                As lutas e reivindicações do SINMED tinham finalmente sido alcançadas.
                VITÓRIA! PROCLAMEI.
                Mas o despertador do meu relógio disparou, acordando-me.
                Infelizmente, voltei à realidade.

                “MAS FOI TUDO UM SONHO, ACORDEI”.

 

TRF PROÍBE ENFERMEIROS DE PRESCREVER MEDICAMENTOS E DIAGNOSTICAR DOENÇAS!!!!

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região (Brasília) tornou definitivamente sem efeito a Resolução 272/2002 do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) que permitia aos enfermeiros diagnosticar doenças, prescrever medicamentos e solicitar exames com autonomia no âmbito dos programas ou rotinas aprovadas em instituições de saúde. A decisão, válida para todo território nacional, foi transitada em julgado, ou seja, sem possibilidade de recurso.
Médicos e toda a população devem denunciar aos órgãos de saúde, Conselhos Regionais de Medicina ou Ministério Público quando o diagnóstico, prescrição ou solicitação de exame for realizado por profissionais da Enfermagem.

Fonte: CFM

 

NOTA DE REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF

Nós, os representantes dos 400 mil médicos brasileiros, os quais têm exercido a profissão ao longo dos anos, com honra e dignidade, tendo como alvo a saúde do povo brasileiro. Temos trabalhado com uma infraestrutura precária e em muitos locais com condições sub-humanas. São incontáveis os atendimentos que prestamos para minorar o sofrimento dos nossos pacientes e fazer de tudo para salvar vidas. A regra praticada pela esmagadora maioria dos médicos brasileiros é a boa assistência com obediência às normas éticas e com resolução. Examinamos sim o paciente, ouvimos sim com atenção sua história e suas queixas. Solicitamos sim, os exames complementares quando indicados e quando a precariedade das instituições públicas ou privadas nos permite. Tratamos sim, com o máximo de zelo e o melhor de nossa formação e capacidade profissional, sempre sujeitos à falta de condições para instituir o tratamento adequado.
Ninguém, seja de onde venha ou porque veio para o Brasil, tem maiores conhecimentos ou é mais capaz para atender a população brasileira do que nós, os médicos brasileiros. Esta missão é exclusiva nossa! Aliás, os detentores do poder sabem disso, pois quando são acometidos de doenças graves correm para os nossos hospitais de referência e são acolhidos por médicos brasileiros. Por tudo isso, repudiamos com veemência e indignação o pronunciamento da presidente da República, Dilma Roussef, que esta semana, ofendeu gratuitamente e injuriou os médicos brasileiros, taxando-os de desumanos e negligentes, tentando denegrir a imagem. Não contente, Dilma ainda enalteceu o atendimento de médicos cubanos, os quais possuem a formação questionável, já que não foram submetidos a avaliação prevista em Lei - o Revalida. Nos desqualifica sem o mínimo conhecimento de nossa formação, a qual é coordenada e fiscalizada por seus Ministérios da Educação e da Saúde, sendo este último o responsável pelo caos em que se encontra o atendimento à população. 
Presidente, cuide de sua obrigação que é proporcionar e deixar à disposição da população, os equipamentos, os medicamentos, os exames complementares e os leitos hospitalares, tratando de acabar com as filas e as mortes nas emergências. Assim, nós médicos, continuaremos cuidando do nosso compromisso legal e ético de atender bem e salvar a vida dos brasileiros.

CONSELHO DE PEPRESENTANTES DA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS (FENAM), REUNIDO EM NATAL-RN, NO DIA 02/05/14.

 

SINMED 43 ANOS DE CONQUISTAS

Surgindo como “coisa de operário e de comunista” numa época em que o País vivia sob o regime militar, tutelado pelas elites, o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região gradativamente conquistou seu lugar relevante de reivindicador em prol de todos, demonstrando seu real valor nas conquistas médico-sociais.
E até hoje mantemos viva a saga daqueles que, no dia 23 de março de 1971, criaram o nosso SINMED.

Atualmente nove municípios compõem a base territorial do SINMED: Niterói, São Gonçalo, Maricá, Rio Bonito, Silva Jardim, Magé, Itaboraí, Guapimirim e Tanguá.  E o Sindicato tem estado presente, amparando, toda vez que solicitado os profissionais destes municípios, mantendo, inclusive, contatos com prefeitos e secretários de Saúde dessas regiões, para levar as reivindicações da classe.

                Da sala no Centro de Niterói em 1971, para a atual sede em Icaraí, o SINMED só mudou mesmo de endereço. A filosofia continua a mesma: de lutar e buscar sempre mais conquistas para a classe.

Para melhor atender não só seus associados, mas a toda a classe médica, o SINMED, além de ter um espaço digno na cobertura da Associação Médica Fluminense, com sala de reuniões e outra maior para palestras, também criou alguns departamentos como Assessoria Jurídica,          Assessoria de Comunicação Social e Centro de Informática.
As atividades sindicais que vivenciamos colocaram o SINMED em situações especiais.  Nosso Sindicato hoje tem assento na Federação Nacional dos Médicos, Na FENAM Regional Sudeste, na Confederação Nacional dos Trabalhadores Universitários e em Conselhos Municipais de Saúde nas cidades da base territorial, tornou-se referência para a grande mídia impressa e eletrônica, além de ter conquistado diversas moções de congratulações legislativas pelos relevantes serviços prestados à classe médica, à saúde pública e a população em geral.

 

MÉDICOS SE REÚNEM EM NITERÓI E
PROGRAMAM MANIFESTAÇÕES NO PAÍS

O Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região foi palco de uma reunião, onde foram discutidos os problemas enfrentados pelos médicos, como salários defasados, forma de pagamentos por parte do poder público e as péssimas condições de trabalho.

O Encontro foi promovido pela Federação Sudeste de Medicina - FESUMED, que é uma das diretorias da Federação Nacional dos Médicos – FENAM. Estiveram presentes em Niterói diversos representantes de sindicatos médicos da Região Sudeste, e também do presidente da Federação Nacional dos Médicos – Fenam, que aprovaram algumas decisões visando a mobilização da classe nos próximos meses. Entre as principais atividades estão adesão nacional à greve dos médicos federais, que acontece no Rio de Janeiro, e um movimento nacional no Dia Mundial da Saúde, que é comemorado a 7 de abril.

O encontro no SINMED foi comandado pelo presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, que também  dirige a FESUMED.

O evento contou com a presença do presidente da Fenam, Dr. Geraldo Ferreira Filho, e o primeiro secretário da FESUMED, Dr. José Luis Franco, além de representantes dos estados- base (Minas Gerais, Espírito Santos, São Paulo e Rio de Janeiro). Na oportunidade foi aprovada a inclusão na FESUMED do Sindicato dos Médicos do Município do Rio de Janeiro.

O Dr.Clóvis Cavalcanti, enfatizou que esta reunião coloca Niterói num patamar de importância nacional, já que para a cidade vieram dirigentes médicos sindicais dos principais centros do país. Ele destacou o espírito democrático do encontro e o fortalecimento da classe em buscar uma saúde pública de excelência para a população e melhores condições salariais e de trabalho para os médicos.

Temas como a ”pejotização” (forma de pagamento a médicos sem criar vínculo empregatício), Organizações Sociais (OS) que dominam a maioria dos hospitais públicos, condições inaceitáveis de trabalho, devido à falta de investimentos na Saúde, a forma como foi feito acordo com Cuba para o Programa Mais Médicos, entre outros, foram debatidos à exaustão.

Por isso, haverá uma reunião entre os dias 17 e 22 de março, sob a coordenação da Federação Nacional dos Médicos, para apoio aos sindicatos do Estado do Rio de Janeiro que aderiram à greve dos médicos federais, que paralisaram suas atividades nos principais hospitais do Rio, devendo também atingir os profissionais de Saúde vinculados à Universidade Federal Fluminense.   No Rio, as consultas e cirurgias eletivas estão suspensas e só os casos considerados de urgência são atendidos.

O objetivo da paralisação é forçar o governo a voltar a negociar com o movimento. A categoria reivindica, entre outros itens, um reajuste de 22,08%, jornada de 30 horas de trabalho sem redução salarial, incorporação das gratificações e correção dos benefícios. De acordo com o defensor público federal Daniel Macedo, que ajuizou uma ação civil pública contra a União, o Estado e o Município do Rio no último dia 7, à carência de material, medicamentos e equipamentos soma-se a falta de profissionais de saúde. Já no Dia Mundial da Saúde, que é celebrado todos os anos pelos 191 países membros da Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO), no dia 7 de abril, estão programados vários eventos por todo o país. Para isso, os sindicatos promoverão passeatas e distribuirão panfletos para a população, mostrando a realidade da saúde pública no Brasil, fundamentados no direito do cidadão à saúde e na obrigação do Estado em promovê-la. Também será realizada uma série de manifestações contra os problemas que afetam o setor de saúde suplementar. 

 

DO QUE O BRASIL PRECISA: MAIS MÉDICOS OU GESTÃO PÚBLICA EFICIENTE?


Infiltrações, rachaduras, mofo, estruturas enferrujadas, equipamentos quebrados, salas improvisadas, banheiros interditados e remédios jogados ao chão fazem parte do cenário que os médicos cubanos encontrarão na semana que vem em unidades de saúde de diferentes municípios do país.


http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/09/1342122-cubanos-atuarao-em-postos-sem-banheiro-e-com-trincas.shtml

 

A legalidade de contratação para o serviço público e só mediante concurso!

A "PEJOTIZAÇÃO (PJ)" , imposição das OS's para contratar médicos é mais uma forma de negar direitos como: férias, FGTS, 13º, dentre outros.

 

PREFEITURAS VÃO DEMITIR PROFISSIONAIS DA SAÚDE PARA RECEBER EQUIPES DO MAIS MÉDICOS

Pelo menos 11 municípios brasileiros de quatro Estados deverão trocar médicos contratados por profissionais do Mais Médicos, programa do governo Dilma Rousseff (PT) para levar estrangeiros e brasileiros para atendimento de saúde no interior e nas periferias. A informação é da "Folha de S. Paulo".

O motivo da troca seria aliviar as contas dos municípios. Na prática, a medida pode ameaçar a principal bandeira do plano: a redução da carência de médicos nesses lugares.
As cidades que adotarão a troca pretendem fazer demissões para receber as equipes do governo federal. Segundo as prefeituras, essa substituição significa economia, já que a bolsa de R$ 10 mil do Mais Médicos é totalmente custeada pela União.

O plano de Dilma foi lançado em julho e provocou polêmica na classe médica principalmente devido à vinda de estrangeiros --incluindo 4.000 cubanos, que devem ser deslocados para 701 cidades que não despertaram interesse de ninguém na primeira fase do Mais Médicos.
Outro atrativo alegado por prefeituras para a troca de equipes é a fixação desse novo médico no município por um período mínimo de três anos. Prefeitos reclamam da alta rotatividade dos médicos, que não se adaptam à falta de estrutura nessas localidades.

As cidades que já falam em trocar suas equipes estão no Amazonas (Coari, Lábrea e Anamã), Bahia (Sapeaçu, Jeremoabo, Nova Soure e Santa Bárbara), Ceará (Barbalha, Cascavel, Canindé) e Pernambuco (Camaragibe).

Fonte: BOL http://zip.net/bnkML9

 (Com informações da "Folha de S. Paulo")

 

SE ORIENTA MERCADANTE!!!!!!!!!!

O ministro da Educação, Aloisio Mercadante, diz que os alunos de medicina terão mais humanização, trabalhando, estagiando, tentando ajudar os pacientes nos hospitais do SUS. Só o que Mercadante não diz, nem seu colega da Pasta da Saúde, é que estes estudantes estarão completamente abandonados, com o sistema de saúde pública falido, pacientes em todos os lugares menos nos leitos. Os estudantes de medicina e médicos já estão mais que humanizados, sofridos, impotentes, desanimados, querendo salvar, ajudar, minimizar sofrimentos sem poder, por falta de equipamentos e medicamentos. Humanizar! Já conhecemos bem este sacerdócio, pois há muito tempo profissionais de Saúde trabalham neste clube dos horrores, fazendo mais que o seu dever diante da omissão do governo.

 

 

UMA CIRURGIA, ASSIM COMO O ATENDIMENTO AO PACIENTE GRAVE, DENTRE OUTROS, NÃO PARA COM O TÉRMINO DO HORÁRIO DA JORNADA DE TRABALHO!

 

CNTU debate revalidação de diploma médico

A menos de uma década de celebrar o Bicentenário da Independência, o Brasil precisa identificar e superar os entraves ao desenvolvimento e ao bem-estar de toda a população brasileira para celebrar esses 200 anos com a conquista da qualidade de vida e com justiça social. Esta foi a tônica da 4ª Jornada CNTU - Brasil Inteligente,  promovida pela Confederação Nacional de Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados, em São Paulo, nos dias 28 e 29 de maio.

Além de ser ressaltada a importância de campanhas que integram o projeto Brasil Inteligente - como as relativas à qualidade na Saúde,  outras idéias, propostas e desafios foram apresentados. Entre eles, contra a vinda de médicos estrangeiros para prover regiões de difícil acesso sem a devida revalidação do diploma e a criação da carreira de estado para médicos pelo Ministério da Saúde, assim como implantar o plano de cargos, carreiras  e salários para profissionais da medicina nas administrações públicas federal, estadual e municipal. Essas propostas foram apresentadas por Clóvis Abrahim Cavalcanti, presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, também diretor da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), entidade que encabeça essa questão, juntamente com o Conselho Federal de Medicina.

 

NA FOTO, O PRESIDENTE DO SINMED E DIRETOR DA FENAM, CLÓVIS CAVALCANTI (SEGUNDO DA DIREITA PARA A ESQUERDA).

..................................................................................

REVALIDA/SAÚDE PÚBLICA

Como na época da abolição, o país importava trabalho “de brancos”, para não contratar ex-escravos.
Agora com a sobra de médicos, e péssima distribuição geográfica, por falta de medicamentos, equipamentos e dignos salários, como aceitar a importação de médicos sem o Revalida.
O que virá após? Por qual razão não aproveitar com totais condições de trabalho e de salário, os médicos brasileiros?
Povo com boa educação e com saúde, não deve favor, muda e se modifica!

Aprovado em 15 de maio pela Comissão de Assuntos Sociais o PLS 138/12 que dá status de lei ao exame Revalida. A proposta será votada na Comissão de Educação e Cultura. Em 2012 dos 884 candidados ao Revalida, apenas 76 foram aprovados, 8.6% dos inscritos, demonstrando a falta de reais condições técnicas e da lingua portuguesa. Querem fazer uma medicina de segunda para os mais pobres, enquanto os políticos quando adoecem, procuram hospitais chamados de tops. Será que vão procurar médicos cubanos para se tratarem? Não é importando médicos que resolveremos os problemas da saúde, mas sim, com financiamento e sem desvios de verbas.Temos que ter uma política de interiorização dos médicos,com condições de trabalho, Carreira de Estado,Plano de Cargos Carreira e Salários, acesso ao aperfeiçoamento com atualização permanenmte, dígnos salários, garantias trabalhistas, dentre tantas outras para uma verdadeira medicina para o povo.

....................................................................................

FIM DA TERCEIRIZAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA!

O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DETERMINOU O FIM DA TERCEIRIZAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE PÚBLICA. TODOS DEVERÃO PREENCHER AS VAGAS POR CONCURSO, NO PRAZO DE SEIS MESES. VAMOS TODOS ESPERAR QUE, A DECISÃO DA SUPREMA CORTE, REALMENTE VENHA SER OBEDECIDA!

DIGNIDADE NO SUS

Todos unidos por mais leitos, equipamentos, medicamentos e verbas.

DIREITOS HUMANOS PARA O PACIENTE DO SUS.


Diga não ao paciente no chão!

COLEGA:

O seu paciente sabe que, você recebe um valor insignificante por uma consulta, em média quarenta e cinco dias após ela ter sido realizada?

 

HONORÁRIOS DE PUERICULTURA

O Sinmed Niterói São Gonçalo e Região, convoca os Pediatras de sua base territorial, para o início da luta, pelo pagamento diferenciado nas consultas de Puericultura.

 

AÇÕES DO SINMED

1 – Participa como único sindicato médico do Estado do Rio, nas lutas nacionais na FENAM e regionais na FESUMED;

2 – Conclui anualmente o Acordo Coletivo de Trabalho com os Sindicatos Patronais;

3 – Atua:

> Na Central de Convênios, na luta da implementação da CBHPM Plena;

> Nos Conselhos Municipais de Saúde, em defesa do SUS, da Medicina e dos Médicos;

> Na luta contra a precarização do trabalho médico, com a obrigatoriedade do vínculo empregatício;

> Na implementação do PCCV com Carreira de Estado para o Médico;

> Em defesa da Qualificação da Residência Médica;

> Na luta pelo piso salarial Médico de R$ 11.675,94, por 20 horas semanais;

> Na admissão com concurso nos Serviços Públicos de Saúde;

> No Aumento do Número de leitos e contra a precarização dos Serviços Públicos de Saúde.

4 – Denuncia na mídia as mazelas nos Serviços Públicos de Saúde.

DENTRE TANTAS OUTRAS LUTAS!

 

O SINMED luta contra a “importação” de médicos.

 

 

A MOBILIZAÇÃO CONTINUA (HONORÁRIOS)

O PROTESTO MÉDICO CONTRA OS PLANOS DE SAÚDE  DO MÊS DE OUTUBRO TERMINOU. MAIS CONTINUAREMOS COM AS NEGOCIAÇÕES, E VIGILANTES CONTRA AS INTOLERÂNCIAS E NEGATIVAS, PARA MELHORIAS DOS NOSSOS HONORÁRIOS. 
SÓ COM A UNIÃO E PARTICIPAÇÃO DE TODOS SEREMOS VITORIOSOS!

 

SAÚDE PÚBLICA: NÃO À SUA PRIVATIZAÇÃO!

CONCURSO PÚBLICO COM SALÁRIO FENAM, PCCS, CARREIRA DE ESTADO PARA OS MÉDICOS, MELHORES HONORÁRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO NO SUS.

 

 

 

 

 

 

O SINMED de Niterói São Gonçalo e Região manifesta seu pesar pelo desastre aéreo que vitimou jogadores, comissão técnica, dirigentes e convidados do clube catarinense Chapecoense, que estavam no avião que caiu na madrugada desta terça-feira (29), na Colômbia.

 

 

No dia 1ºde dezembro, comemora-se o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. E a campanha deste ano dará enfoque nos jovens de 15 a 24 anos das classes C, D e E. A ação busca discutir as questões relacionadas à vulnerabilidade ao HIV/Aids, na população prioritária, sob o ponto de vista do estigma e do preconceito. Além disso, a ideia é estimular a reflexão sobre a falsa impressão de que a Aids afeta apenas o outro, distante da percepção de que todos estamos vulneráveis.

 

 

 

SINMED FUNDOU A FENAM

Livro editado e distribuído pela Federação Nacional dos Médicos (FENAM), que relata a história da entidade máxima sindical dos médicos, faz justiça ao pioneirismo do sindicalismo niteroiense nessa área. Criada em 1973, a FENAM tem, entre seus fundadores, o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, e na diretoria o presidente do SinMed, Dr. Clóvis Cavalcanti.

 

VACINA CONTRA HPV PARA MENINOS

A partir de janeiro de 2017, a rede pública estará obrigada a oferecer vacina contra o HPV para meninos de 12 a 13 anos, como parte do Calendário Nacional de Vacinação. O esquema vacinal será de duas doses, com intervalo de seis meses entre elas. Nesses casos é necessário apresentar prescrição médica.

 

PROPOSTAS DO SINMED AOS CANDIDATOS A PREFEITO

- MELHOR DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA PARA ATENDIMENTO BÁSICO /PRIMÁRIO À POPULAÇÃO, DESAFOGANDO UPAS E AS EMERGÊNCIAS DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS, COM O PLENO FUNCIONAMENTO DO PSF E DOS POSTOS MUNICIPAIS E POLICLÍNICAS.

- AMPLIAÇÃO E ADEQUAÇÃO DA MATERNIDE MUNICIPAL, COM MAIS LEITOS, CENTRO CIRÚRGICO E PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE.

- INVESTIMENTO EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES, COM ENTREGA EM TEMPO HÁBIL DOS RESULTADOS PARA MELHOR ACOMPANHAMENTO E DIAGNÓSTICO DOS PACIENTES.

- O MESMO PARA EXAMES DE IMAGENS.

- INSUMOS – EQUIPAMENTOS/MEDICAMENTOS/LABORATÓRIOS/ IMAGEM.

- INVESTIMENTOS CONTÍNUOS EM HOSPITAIS DE RETAGUARDA PARA RECEBER PACIENTES.

- SERVIÇOS DE ATENDIMENTOS BÁSICOS E ESPECIALIZADOS.

- INVESTIMENTOS NA SAÚDE DO TRABALHADOR.

VALORIZAÇÃO DO TRABALHO MÉDICO

- PCCS.

- CONCURSO PÚBLICO COM SALÁRIO PISO FENAM (R$12.993,00/20 HORAS SEMANAIS).

- FIM DAS REMUNERAÇÕES POR RPA, DE CONTRATAÇÕES POR ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OSS) OU OUTRA FORMA DE PAGAMENTO QUE NÃO CRIE VÍNCULO EMPREGATÍCIO.

- AMBIENTES DE TRABALHO SALUBRES/ERGONÔMICOS, COM SEGURANÇA E EQUIPADOS.

..........................................................................................................................

APROVEITANDO O MOMENTO OLÍMPICO E CONFORME DETERMINAÇÃO DO CFM.

PARA CONSULTAS POR TELEFONE OU WHATSAPP!

 

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO, MANTÉM AÇÃO QUE QUESTIONA CONTRATAÇÃO DE MÉDICOS CUBANOS

A forma de contratação dos profissionais cubanos para o programa Mais Médicos viola os princípios constitucionais da legalidade, publicidade, transparência e motivação, no entendimento da 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Por isso, os desembargadores suspenderam a sentença da 14ª Vara Federal do Distrito Federal que extinguiu uma ação popular que buscava a anulação de cláusulas do convênio firmado entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o governo de Cuba para trazer os médicos para atuar no Brasil.
Segundo a inicial da ação, os médicos cubanos não recebem seus salários e benefícios diretamente no país. Apenas uma parte é paga no Brasil e a maior parte repassada ao governo cubano por intermédio da Opas. Para o autor da ação popular, é desconhecido o destino dado pelo governo de Cuba ao dinheiro. O programa foi iniciado em 2013 pelo governo da presidente Dilma Rousseff. 
Para o desembargador Antônio Souza Prudente o convênio viola a Constituição, porque não há a possibilidade de fiscalização do uso dos recursos repassados para Havana. Os demais membros do colegiado concordaram com ele.

O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região diante da calamidade pública instalada na sua área de atuação, protesta veementemente contra a insistência do “Programa Mais Médicos”  sem  prova de capacitação, pois  enquanto o governo federal gasta milhões de reais com médicos estrangeiros, que não fizeram o REVALIDA, este mesmo governo reduz os salários dos médicos brasileiros concursados e que há anos atendem nossa população. E que também reduz drasticamente as verbas destinadas para a Saúde Pública.

 

 

NÃO AO DECRETO DE CALAMIDADE PÚBLICA

O decreto de calamidade pública do governador em exercício, Francisco Dornelles, visando salvar a imagem do Brasil até terminar os Jogos Olímpicos, não passa de um simples curativo para uma ferida de grandes dimensões, que cada dia aumenta sua gravidade.  Estamos vivendo uma crise profunda há anos na Saúde, deixando médicos com salários atrasados e sem condições de trabalho, já que falta de tudo um pouco em hospitais, policlínicas, UPAs, entre outros. E a população sofre com este abandono proporcionado pelos governos, muitos peregrinando de bairro em bairro, de cidade em cidade, em busca de uma unidade que possa oferecer atendimento médico com dignidade. O governador decretou calamidade agora, para ajudar o município do Rio de Janeiro, quando o desastre na gestão da saúde pública persiste há anos, em TODO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, notadamente nos municípios da base do nosso SINMED, que possuem hospitais estaduais e UPAs, funcionando de forma precária.

O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região repudia este decreto de calamidade, pois eventos esportivos não podem ser privilegiados às custas de supressão dos direitos do cidadão.

 

PEJOTIZAÇÃO DE MÉDICOS NA MIRA DA RECEITA FEDERAL

Motivada pelo crescente déficit da previdência social, a profusão de pessoas jurídicas criadas em todos os setores da economia e a discrepância entre o pagamento das contribuições previdenciárias por profissionais liberais, incluídos os médicos e outros prestadores de serviços na área da Saúde, a Receita Federal coloca em prática novo entendimento contrário à pejotização – que é caracterizada como prestação de serviços exercidos por pessoa física por meio de pessoa jurídica constituída especialmente para esse fim, substituindo uma relação formal de emprego.
Em encontro no Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (SindMédico-DF), n a quinta-feira, 16, membros da direção da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), ouviram palestra do advogado especializado em Direito Tributário e Econômico Marcos Vinícius Ottoni. Ele esclareceu que o atual entendimento da Receita Federal é que o médico e demais profissionais liberais da área da saúde só podem trabalhar em hospitais com carteira assinada ou por meio de prestação de serviços como autônomo.

 

RELATÓRIO PRELIMINAR DA ALERJ

PEDE FIM DE OSS EM UPAS DO RJ

 

Um relatório preliminar da Comissão de Tributação da Assembleia Legislativa do Rio pede fim da gestão de Organizações Sociais em Unidades de Pronto Atendimento (Upas) do Estado do Rio. Segundo deputados, é preciso um controle melhor das unidades.
No documento, deputados analisaram as Upas controladas por OSs entre 2010 e 2015. Em 2015, 65,67% das metas estabelecidas não foram alcançados pelas unidades. O documento também mostra que faltam  parâmetros claros sobre os custos de medicamentos, e gastos com segurança, limpeza, exames laboratoriais, e lavanderia. Há problemas para determinar a faixa salarial de médicos e enfermeiros.
A secretaria estadual de saúde declarou, em nota, que vai acatar todas as recomendações do relatório da Alerj, e que se prepara pra fundação de saúde administrar as upas. A secretaria disse, ainda, que vai concluir uma auditoria sobre os gastos com as upas no ano passado pra avaliar o tamanho da dívida com as organizações sociais, e que já fez cortes de R$ 1 bilhão em contratos.

FONTE: O GLOBO

-------------------------------------------------------------------------------------------------

O presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, participou neste final de semana, em Manaus, de uma Audiencia Pública. Convidado pelo Sindicato dos Médicos do Estado do Amazonas, o presidente do nosso SINMED ficou entusiasmado com o estudo feito pelo SIMEAM para a regulamentação da Carreira Médica de Estado, sua importância, as condições atuais da saúde no interior do Estado e também outras possíveis melhorias ou soluções para a Saúde Pública do Amazonas. Segundo o Dr. Clóvis Cavalcanti, boa parte deste projeto pode ser implantado no Estado do Rio de Janeiro.

 

 

SINMED ESTÁ NA EXPECTATIVA DE MELHORIAS

SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região está na expectativa que o atual governo cuide da saúde pública conforme previsto na Constituição Federal. Que os médicos brasileiros sejam valorizados e que a péssima gestão reinante até agora não permita que pacientes continuem morrendo nas filas ou no chão dos corredores de hospitais, por falta de leitos, equipamentos e medicamentos. O SINMED permanece levantando bandeiras contra governos populistas, que se afastam das necessidades do povo. Chega de demagogia barata. Que o Brasil seja para o brasileiro, sem fome e com educação, saúde, segurança, moradia e comida na mesa!

 

 

 

FENAM E SINMED SE REÚNEM COM DIRETOR DO HUAP

Na sua luta por uma saúde pública digna para todos, o presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, promoveu uma reunião com o diretor do Hospital Universitário Antônio Pedro, Dr. Tarcísio Rivello, e a cúpula da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), representada por seu presidente, Dr. Otto Baptista, e os diretores Dr. Geraldo Ferreira, Dr. Mário Antonio Ferrari e Dr. Jorge Darze. Foram debatidos os problemas que o HUAP atravessa, assim como perspectivas otimistas para o futuro. 
Todos foram unânimes em afirmar que o governo federal não disponibiliza as verbas necessárias para o pleno funcionamento do Huap e que a execução de concurso público para médicos e demais profissionais de saúde, além de investimentos em insumos e aparelhos para exames seria a solução viável para que o hospital voltasse a ser um referencial para pacientes e estudantes de medicina.

 

 

 

IMPOSTO SINDICAL

A categoria médica deve pagar a contribuição sindical enviada pelo SINMED e levar a cópia xerocada a todos os empregos, fazendo um requerimento solicitando que não seja mais realizado o desconto em folha. A medida evita que algumas empresas descontem em folha e repasse indevidamente a contribuição para sindicatos que não representam a categoria. O imposto deve ser pago preferencialmente por boleto enviado pelo SINMED ou por Guia de Recolhimento da Contribuição Sindical Urbana (GRCSU)

A contribuição sindical anual é um tributo do Ministério do Trabalho e Emprego, que deve ser pago por todos os médicos, independente do vínculo empregatício: autônomos, celetistas, servidores públicos, sindicalizados ou não.

Nos 45 anos de existência, nossa luta tem sido incansável pela valorização do médico, com salários e condições de trabalho dignos.
Mas esta missão depende de todos, para que nossa classe possa se dedicar com plenitude à saúde e à população.
Por isso, conclamamos aos colegas médicos que sindicalizem-se!
O SINMED é a sua casa. PARTICIPE!
E você nos acha da seguinte maneira:
Tels: 2714-2628 e 2611-8790
site: http://www.sindmedniteroi.org.br

Facebook : Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região

 

 

 

CORRESPONDÊNCIA ENVIADA AO CREMERJ E AOS SINMEDS DE NOSSO ESTADO!

 

PROFISSÃO DE RISCO


O abandono da Saúde, responsabilidade dos governos federal, estadual e municipal, não só estressa o cidadão que procura atendimento, como está transformando a medicina numa profissão de risco. Médicos estão sendo agredidos e hostilizados verbalmente nas emergências de hospitais públicos e, principalmente, nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Nos últimos meses vem ocorrendo uma degradação nas condições de trabalho nas unidades de saúde pública, com redução de quadro de funcionários (farmácia, assistência social, técnicos de enfermagem, dentistas, enfermeiros). Além disso, os médicos quando assumem seus plantões se deparam com equipamentos sucateados, falta de medicações para uso interno, dispensação de medicações para pacientes. Existe, também, precariedade estrutural, como aparelhos para exames danificados ou fora de uso, infiltrações nas paredes. Com este quadro caótico, muitos pacientes migram de municípios vizinhos, onde não conseguem atendimento, o que gera uma super-lotação na unidade que ainda funciona. Isso cria um ambiente hostil e perigoso para o profissional de Saúde, pois todos (e com razão) querem ser atendidos e acham que a culpa é do médico. O SINMED de Niterói, São Gonçalo e Região conclama às autoridades que assumam esta responsabilidade publicamente, normalizando o atendimento ao cidadão que merece respeito, assim como também merece consideração o médico que esta ali para cuidar de todos sem distinção e com precisão. Esta letargia do poder público fomenta a quebra da relação médico-paciente, o que não faz bem para nenhuma das partes.

 

 

O presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região, Dr. Clóvis Abrahim Cavalcanti, participou da reunião no CREMERJ para  denunciar a crise nos hospitais universitários do Rio. Presentes ao evento, diretores dos hospitais universitários Antonio Pedro, Pedro Ernesto, Clementino Fraga Filho e Gafrée e Guinle
Também estavam na reunião  representantes do Conselho Federal de Medicina, Conselho Regional de Enfermagem, deputados e vereadores.
Ao final da reunião foi proposta uma Audiência Pública com ministros e secretários de Saúde, Educação, Ciência e Tecnologia para uma solução da crise que está levando os hospitais universitários à falência. Segundo o Dr. Clóvis Cavalcanti “É preciso rever o repasse que não está ocorrendo das verbas para a Saúde e lutar contra a privatização da saúde pública”.

 

 

TST DECIDE PELA NÃO INCLUSÃO DA DOENÇA
NOS ATESTADOS MÉDICOS DE TRABALHADORES

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu que a inclusão do Código Internacional de Doenças (CID) nos atestados médicos apresentados pelos trabalhadores às empresas é ilegal. No processo, a Corte manteve a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), que rejeitou recurso do Sindicato das Empresas de Asseio, Conservação e Serviços Terceirizados de Santa Catarina. Na ação, a entidade tentou manter uma cláusula incluída no acordo coletivo, que exigia a indicação da doença nos atestados.
A decisão do TST abre precedente e pode virar jurisprudência. A relatora do processo no TST, ministra Maria Cristina Peduzzi, citou o direito fundamental à intimidade e à privacidade das pessoas.
"No próprio âmbito da Medicina, a obrigatoriedade do CID em atestado é vista como prejudicial ao trabalhador", destacou a ministra.
O processo começou com o Ministério Público do Trabalho, que entrou com ação contra o sindicato, por entender que a exigência extrapola o âmbito da negociação coletiva e afronta o Código de Ética Médica (resolução do Conselho Federal de Medicina). A decisão do TST foi por maioria.

DOE SANGUE!

Transfusões de sangue salvam vidas e melhoram a saúde, porém muitos pacientes que necessitam de transfusões não têm acesso a sangue seguro no momento adequado. A necessidade de transfusões sanguíneas pode ocorrer a qualquer tempo em áreas rurais e urbanas. A indisponibilidade de sangue pode levar a morte e tornar crônicas certas doenças. 
Parabéns a você que é doador regular de sangue. E as pessoas saudáveis que nunca doaram, que comecem a fazê-lo.

 

A SIRENE EM MARIANA TOCOU. ACORDA BRASIL!!!

“O impacto causado ao meio ambiente pela tsunami de lama, devido ao rompimento das barragens de Fundão e Santarém, na cidade de Mariana, Minas Gerais, será maior do que causaria a explosão de uma bomba atômica”, diz o renomado biólogo André Ruschi. Enquanto médicos e bombeiros lutavam incansavelmente para salvar vidas, autoridades só apareceram “limpinhas”, anunciando que medidas seriam tomadas. Nesse caso, medidas deveriam ter sido tomadas antes, com fiscalização, verificação de licenciamento, inspeção periódica das estruturas. É assim que se preserva a vida. É assim que se mantém intacto o meio ambiente com sua fauna e flora e o sustento de centenas de milhares de pessoas. O abandono proporcionado pelo poder público às necessidades mais elementares do cidadão, também atinge há muito tempo a área da Saúde, com hospitais e postos sem insumos, remédios e até mesmo profissionais, já que não se faz mais concursos para médicos. Que o desastre de Mariana seja a sirene para despertar o brasileiro dos inúmeros perigos silenciosos que nos cercam. Em quantos anos o Rio Doce vai se recuperar? E os que dependem dele, da pesca, da água, do turismo ecológico? E as cidades, sonhos e vidas destruídas. Uma nova Pompeia no século XXI? E, sem colocar o pé na lama, as autoridades sobrevoam o local e declaram: “É lamentável, mas vamos prestar toda assistência”.
Mas isso não devolve vidas!

 

 

POSSE DA DIRETORIA DA FENAM, ELEITA PARA O TRIÊNIO 2015/2018.

 

O GLOBO

 

NOVAMENTE O SINMED CONCLAMA A INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO, PARA A RESOLUÇÃO DO CAOS NA SAÚDE PÚBLICA!

ITABORAI PEDE SOCORRO!


Os médicos que trabalham no Hospital Municipal Desembargador Leal Júnior, em Itaboraí, estão sem receber pagamentos de salários há dois meses. Nem a Organização Social, que administra a unidade de Saúde, nem a prefeitura de Itaboraí se manifestam ou procuram resolver a questão, que acarreta problemas para os profissionais, que precisam de seus salários para pagar contas, impostos, alimentos, etc. Apesar da falta de pagamento os médicos estão atendendo na emergência com as condições lhes são impostas. E com a carência de medicamentos e equipamentos, mais uma vez a população é a grande prejudicada pelo descaso dos gestores.

 

EM SÃO GONÇALO, DESCASO TOTAL COM
PROFISSIONAIS DE SAÚDE E PACIENTES

Em São Gonçalo, uma fiscalização do CREMERJ constatou inúmeras irregularidades no Pronto-Socorro Dr. Armando Gomes de Sá Couto. Foram constatados na unidade municipal de Saúde problemas como superlotação, instalações inapropriadas, número insuficiente de médicos e falta de insumos e de medicamentos Vale lembrar que, apesar da denominação de pronto-socorro, o hospital é referência para o atendimento de emergência em toda a cidade, inclusive a vítimas de trauma e de arma de fogo. No último mês, houve redução do número de médicos plantonistas, embora o volume de atendimentos do hospital tenha tido um aumento expressivo. Com uma média de 12 a 13 mil atendimentos mensais, a unidade contabilizou 16.380 atendimentos no mês de julho. Além de desfalques na equipe médica, houve atraso e descontos salariais injustificados. A maioria dos profissionais é contratada pela Fundação Municipal de Saúde, sem vínculo formal de trabalho, férias, 13º salário e FGTS. Alguns médicos alegaram que a prestação de serviços sem contrato com a Fundação é uma prática comum. Outras irregularidades verificadas foram a atuação de acadêmicos sem supervisão e falhas no preenchimento dos prontuários de pacientes internados. O hospital também tem outros problemas, como a falta de organização, higiene e de roupas adequadas, que aumentam o risco de infecções hospitalares. Quanto aos insumos e equipamentos, a Comissão de Fiscalização do CREMERJ identificou a ausência de diversas medicações, o que inviabiliza o tratamento aos pacientes. Faltam monitores na sala vermelha, bombas infusoras na UTI e materiais de curativo na sala de sutura. O aparelho de tomografia está sem contraste e há muita demora na liberação dos exames laboratoriais, já que o laboratório é único e compartilhado pelas três unidades de saúde da Praça Zé Garoto (Hospital Luiz Palmier, Hospital Infantil Darcy Vargas e o próprio Pronto-Socorro Dr. Armando Gomes de Sá Couto). 

 

 

"Acidentes não acontecem por acaso.
Acidentes acontecem por descaso.
A prevenção é o melhor caminho."

Tribunal Superior do Trabalho

 

 

 

 

O RISCO DO PARTO SEM MÉDICO


Uma professora do curso de enfermagem da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) morreu na terça-feira (21), 11 dias após uma cesárea na Casa de Saúde da cidade. Mariana de Oliveira Fonseca Machado, de 39 anos, tentou um parto humanizado em casa por mais de 48 horas, mas teve complicações e foi levada para o hospital. O bebê sobreviveu e passa bem. A mulher estava internada em São José do Rio Preto e o enterro aconteceu na tarde desta quinta-feira (23), em Patrocínio(MG).
Segundo a assessoria de imprensa da Casa de Saúde de São Carlos, a mulher havia contratado uma doula para ajudar no parto em casa, mas após dois dias ele não foi bem sucedido. Com isso, no dia 11 de julho, ela foi levada para a Casa de Saúde, onde a cesárea foi necessária.

DEFENSORIA QUER FORMALIZAR O CONTATO COM PLANOS DE SAÚDE PARA PADRONIZAR OS PROCEDIMENTOS

A Defensoria Pública do Rio fez, nesta segunda-feira (22), a primeira reunião com representantes de planos de saúde para propor a assinatura de um Termo de Cooperação. O documento, de iniciativa do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), vai formalizar o contato com as operadoras de saúde para padronizar a solução de conflitos de forma extrajudicial.
A prática, que sempre ocorreu informalmente, mas com bons resultados, é uma forma rápida e efeciente de resolver os casos dos clientes dos planos, sem a necessidade de uma ação na Justiça. O termo deverá ser assinado em julho.
Além de defensores do Nudecon, participaram da reunião o ouvidor da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Jorge Magalhães Toledo, e representantes da Amil, Unimed Rio, Unimed Leste Fluminense, Bradesco Saúde e Golden Cross. Os planos de saúde têm até sexta-feira (26) para apresentar sugestões e também a resposta à proposta.
- Com esse contato com os planos, a gente pode abreviar muito mais o tempo e a questão de uma solução mais satisfatória para o problema do assistido, do consumidor, em termos de saúde suplementar - observou a defensora pública Patrícia Cardoso, coordenadora do Nudecon.
A iniciativa da solução extrajudicial dos conflitos terá o apoio da ANS, informou Toledo.
- A redução da judicialização tem um impacto não só para o Judiciário, que está abarrotado com essas ações, mas tem um impacto muito grande para o mercado e para o beneficiário. Para o mercado, porque isso significa menor custo, pois, toda vez que se tem uma judicialização, há mais custo. E para o beneficiário é o menor tempo, porque tudo que é resolvido extrajudicialmente é mais rápido, mais célere. E alcança a satisfação - explicou o ouvidor da ANS.

FONTE: http://www.portaldpge.rj.gov.br/Portal/conteudo.php?id_conteudo=2210

 

 

 

 

 

SINMED 44 ANOS DE LUTAS!

Neste domingo, (22 de março) o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região completa 44 anos de fundação. Criado em 1971, numa pequena sala na Rua da Conceição, no Centro de Niterói, por um grupo de abnegados, o SINMED avançou nas lutas em defesa da classe. Hoje se destaca nos cenários regional e nacional também reivindicando melhor qualidade no atendimento para a população, com melhorias no Sistema Único de Saúde.

O SINMED é uma entidade que, há quatro décadas, mantém acesa a chama da dignidade médica, por isso que, com suas denúncias, sempre verdadeiras e em prol da medicina e dos médicos, passou a ser respeitado e acatado pelos governantes.

Sua atual diretoria não recebe qualquer forma de remuneração. E é importante sempre ratificar este fato, pois são médicos que se dedicam e se empenham com grande abnegação para as melhorias em todos os sentidos da classe e, diretamente, para quem trabalha na Saúde. Pois se melhora o atendimento para a população, os profissionais da área médica também são beneficiados.

O presidente do SINMED, conclama que “todos os médicos  participem e denunciem. Que venham fazer parte desta luta que é de todos, acima de partidos e facções ideológicas, mas somente em prol do bem comum à Saúde que é Direito de todos e dever do Estado. Quando todos lutam juntos, são maiores e mais rápidas as vitórias.”

 

O SINMED luta pelo piso nacional FENAM de R$ 12. 141,97 por 20 horas.

Valorizar e pagar com dignidade os médicos brasileiros!

2016: SAÚDE PÚBLICA DIGNA PARA TODOS!

SINMED, AUDIÊNCIA COM SUPERINTENDENTE REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO, DR. ANTONIO HENRIQUE DE ALBUQUERQUE FILHO, TRATANDO DE ASSUNTOS DE INTERESSE DA CLASSE.

 

 

SINMED REELEGE CLÓVIS CAVALCANTI PARA O TRIÊNIO 2014/2017


   

O pediatra Clóvis Abrahim Cavalcanti foi reeleito presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região para o triênio 2014/2017. A comissão eleitoral, formada por  Alcir Chacar (presidente da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro), Gilberto Garrindo (presidente da Unicred Niterói) e Josemar dos Reis, diretor da Unimed Leste Fluminense) conduziu o pleito no último final de semana.
Logo após ter seu nome oficializado como presidente eleito, Clóvis Cavalcanti agradeceu a presença maciça dos médicos que foram votar, afirmando que esse fato “aumenta ainda mais a nossa responsabilidade em defesa da classe e na luta por uma política de saúde digna para a população”.
 Ainda segundo Clóvis Cavalcanti, as metas para o próximo triênio serão basicamente as que vêm sendo defendidas pelo Sinmed nas regiões em que atua: Niterói, São Gonçalo, Maricá, Itaboraí, Rio Bonito, Magé, Silva Jardim, Guapimirim e Tanguá:
 - Concurso público com salário digno, que crie um quadro de profissionais compatível com a demanda da população, seria um primeiro grande passo. Tem que contemplar, também, a adequação de um Plano de Cargos e Salários dos municípios. Atualmente, além da péssima remuneração, os médicos convivem com situações desfavoráveis para o desempenho do seu trabalho, como unidades mal aparelhadas para atendimentos e exames básicos, centros cirúrgicos não funcionando, almoxarifados nem sempre abastecidos com remédios e outros insumos para pronto-atendimento, asseio e higiene permanentemente precários, carência de leitos, elevadores que não funcionam, mobiliário quebrado ou inadequado. Por isso é urgente e necessário investimento sério na área administrativa e de gestão, que estão emperradas e dificultando ainda mais os atendimentos.

Surgido como “coisa de operário e de comunista” numa época em que o País vivia sob o regime militar, tutelado pelas elites, o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região foi criado no dia 23 de março de 1971 e gradativamente conquistou seu lugar relevante de reivindicador em prol de todos, demonstrando seu real valor nas conquistas médico-sociais.

 

APROVADA LEI 6964/10.

QUE TORNA OBRIGATORORIA CONTRATO ENTRE PLANOS DE SAÚDE E OS MEDICOS COM DATA BASE DOS REAJUSTES DAS CONSULTAS E PROCEDIMENTOS.

 

SINMED - SINDICATO DOS MÉDICOS DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO.

INFORMATIVO:

 
O Conselho Federal de Medicina (CFM) emitiu, nesta sexta-feira (11), nota solicitando a derrubada, pelo Senado Federal, de emenda à Medida Provisória 627 que perdoa uma dívida de aproximadamente R$ 2 bilhões das operadoras de planos de saúde.

A anistia já aprovada pela Câmara dos Deputados beneficia, de acordo com o CFM, somente as empresas de saúde suplementar – privilegiando o lucro das operadoras em detrimento à assistência de mais de 50 milhões de brasileiros que têm plano de saúde. O montante passível de perdão seria útil, inclusive, para sanar problemas de hospitais e postos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). 

O texto apresentado pelo deputado Eduardo Cunha (PMBD/RJ) limita ainda o número de multas que as operadoras de planos poderão pagar, o que facilita a ocorrência de abusos que prejudicam pacientes, familiares e profissionais encarregados do atendimento. O suposto apoio da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ao perdão da dívida bilionária também é repudiado pelo CFM, que solicita rigorosa apuração – visto que a agência é responsável pelo controle regulador do setor.

Há expectativa de que a emenda passe por votação no Senado Federal até o dia 21 de abril. Leia abaixo a íntegra da nota do CFM:

 
NOTA À IMPRENSA

Críticas à emenda da MP 627 que beneficia planos de saúde 

Brasília, 11 de abril de 2014. 

Com relação à emenda à Medida Provisória 627, que determina teto para a aplicação de multas aos planos de saúde, aprovada na Câmara dos Deputados e que aguarda votação no Senado, o plenário do Conselho Federal de Medicina (CFM) vem a público se manifestar EM FAVOR dos seguintes pontos: 

1) A defesa à derrubada pelo Senado da emenda apresentada pelo relator da MP na Câmara, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB/RJ), durante a votação da matéria prevista para acontecer até 21 de abril; 

2) No caso de sua manutenção pelos senadores, solicita-se o veto integral da Presidência da República ao item, o qual pode representar um perdão às dívidas das operadoras de planos de saúde, num montante estimado de R$ 2 bilhões; 

3) A derrubada desse ponto específico reforça direitos de mais de 50 milhões de brasileiros que têm plano de saúde e disciplina a atuação das operadoras, inibindo abusos que prejudicam pacientes, familiares e profissionais encarregados do atendimento; 

4) Há necessidade de debate amplo sobre mecanismos de controle e de fiscalização das operadoras de planos de saúde, que têm aumentado significativamente o número de clientes, contudo, sem: garantir maior rede de cobertura, facilitar o acesso aos procedimentos contratados e respeitar os prestadores de serviços (médicos e outros profissionais de saúde), ignorando critérios mínimos de contratualização e interferindo na autonomia médica no diagnóstico e no tratamento de doenças.

O CFM reitera que a manutenção deste trecho na MP 627 beneficia apenas as operadoras de planos de saúde e fragiliza os mecanismos para evitar abusos decorrentes da lógica adotada por essas empresas, que privilegiam a cultura do lucro em detrimento da assistência aos pacientes. 

O Conselho Federal de Medicina salienta que esta possibilidade de anistia às empresas de saúde suplementar não dialoga com a penúria imposta à rede pública, vítima de baixos investimentos e inúmeros problemas. Inclusive, o montante passível de perdão seria útil ao saneamento das dificuldades enfrentadas por hospitais e postos de saúde do SUS. 

Finalmente, o CFM lamenta informações veiculadas pela imprensa de que a aprovação na Câmara dessa emenda prejudicial a sociedade tenha contato com o apoio da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), fato que deve ser apurado com rigor. Se a suspeita for confirmada, coloca-se em xeque a idoneidade desta importante instituição reguladora e de seus dirigentes nas relações com o segmento econômico sobre o qual deveria exercer controle. 

 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)

 

MARICÁ EXONERA SECRETÁRIA DE SAÚDE

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

VEJA O VÍDEO COM O DESABAFO DO FUNCIONÁRIO DO HOSPITAL MUNICIPAL CONDE MODESTO LEAL:

O prefeito de Maricá, Washington Quaquá, exonerou a secretária de Saúde da cidade, Janete Valadão. O Poder Executivo ainda não falou oficialmente sobre o caso, mas a exoneração acontece seis dias após o Blog Emergência, do jornal O GLOBO, publicar um vídeo no qual um funcionário do Hospital Municipal Conde Modesto Leal diz que a unidade "é pior que casa de pobre".  O funcionário, sem saber que era filmado, conta que já tirou dinheiro do próprio bolso para comprar condimentos para a refeição dos pacientes e para repor peças quebradas.
Quem acompanha o sistema de saúde de Maricá sabe que a troca de secretário da Saúde, quase uma rotina da atual gestão, não é suficiente para resolver os problemas.
No vídeo publicado no site de O Globo, o funcionário do Hospital Municipal Conde Modesto Leal, também relata que tira dinheiro do bolso para comprar verduras e legumes para cozinhar para os pacientes.
Além disso do que está registrado no vídeo, há queixas de demora no atendimento e falta de pediatras.
Na maternidade, falta refrigeração e as gestantes afirmam que se sentem mal naquele lugar.
Pacientes aguardam exames de raio X e esperam há mais de seis meses para a realizações de exames básicos, já que os complexos os pacientes não conseguem realizar em Maricá.
Na UPA, o atendimento tem sido melhor do que no hospital municipal, porém, em alguns horários e plantões não há atendimento na pediatria.

http://www.youtube.com/watch?v=FcTRMptBE4Q

 

Click na imagem para ampliar

O VERDADEIRO SALÁRIO DO MÉDICO BRASILEIRO

DIPLOMA MÉDICO

O governador Sérgio Cabral sancionou a Lei. 6.537, que obriga médicos a manter em local visível a cópia de seu diploma, para que os pacientes possam verificar que ele é um profissional realmente formado por uma faculdade.

  E o diploma dos médicos estrangeiros, que não necessitam fazer o REVALIDA, onde ficará afixado.

 

MAIS MÉDICO OU MAIS INVESTIMENTO EM SAÚDE?


Médicos brasileiros, com carga horária de 40 horas semanais, recebem R$6.100,00 por mês. E os médicos estrangeiros, com a mesma carga horária ganham R$12.000,00. SEm o Revalida e um contrato de trabalho, os médicos estrangeiros exercem a profissão de forma ilegal no país. E apesar de ganhar mais que os brasileiros, terão o mesmo ambiente de trabalho: unidades de saúde sucateadas, sem a mínima condição de atendimento à população, por falta de investimento governamental sério e responsável em saúde pública.

 

SAÚDE NO BRASIL: CAMPOS DOS HORRORES

Com a polêmica importação de médicos estrangeiros, principalmente os cubanos, e com o debate envolvendo a população, o governo mais uma vez lançou com sabedoria sua cortina de fumaça, escondendo as verdadeiras causas do abandono da saúde pública. Exemplo disso foi trazer médicos e não resolver problemas primários como falta de medicamentos, equipamentos, leitos, ambulâncias do SAMU sucateadas e quebradas, entre outros. Os hospitais públicos tornaram-se verdadeiros campos dos horrores, onde os médicos, com sacrifício, devem atender, sem as mínimas condições, pacientes em lugares indevidos, impróprios e indignos. Assim, com este desprezo por parte do governo, o cidadão tem os seus direitos humanos completamente ignorados pelos gestores.

 

ATENÇÃO MÉDICOS DE NITERÓI!!!!!!!

O SINMED DE NITERÓI, SÃO GONÇALO E REGIÃO PARTICIPA DOS MOVIMENTOS NACIONAIS JUNTO COM CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS E OUTRAS ENTIDADES, MAS NÃO DEIXA DE CUIDAR DE SUA BASE...PRECISAMOS UNIR FORÇAS PARA NOSSA LUTA PELA DIGNIDADE DA PROFISSÃO EM NITERÓI...VEJA A ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DO SINMED, CLÓVIS ABRAHIM CAVALCANTI, PUBLICADA NO JORNAL O GLOBO DE 13/07/2013:

 

 

 

Crise da pediatria afeta pais e filhos.
Nossas crianças não choram à toa!

O valor irrisório pago pelos planos de saúde aos pediatras é preocupante, pois está acarretando o fechamento de muitos consultórios dessa especialidade. Ao mesmo tempo a má remuneração nos serviços públicos e privados de saúde, está fazendo com que, cada vez mais, o número de pediatras diminua assustadoramente, acarretando uma grande insegurança aos pais.
Esses pequenos brasileiros estão passando longo e precioso tempo nas filas dos hospitais, aguardando por um atendimento, muitas vezes agravando seu quadro clínico com a espera, aumentando a angústia dos pais, que sofrem pelos filhos e pela demora no atendimento nos hospitais.
Ainda temos precariedade de medicamentos e equipamentos para que o pediatra possa dar um pleno atendimento ao pequeno paciente. Nos plantões médicos, onde devem ficar no mínimo três pediatras, encontramos apenas dois e inúmeras vezes somente um, estressado, sobrecarregado e pensando em trocar de especialidade.  Nas últimas semanas uma avalanche de reclamações e denúncias chegou ao Sindicato dos Médicos, por conta desse grave problema. Alertamos, portanto, os políticos, gestores e à população, pelo grave problema.
Com ou sem plano de saúde,  o risco iminente é para todos, crianças e pais!

O SINMED convoca os Pediatras  para se mobilizarem por melhores condições de trabalho e de remuneração antes do caos total!

Clóvis Abrahim Cavalcanti  Presidente do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região.

 

MÉDICOS VÃO AO MP CONTRA RPA

Uma comissão formada por dirigentes do Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região (Sinmed), Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ) e médicos que trabalham com contratos temporários em Niterói, terá uma reunião com um promotor do Ministério Público Estadual, no dia 9 de maio, para denunciar esta relação de trabalho, destacando o pagamento efetuado através de RPA. (autônomos)
A decisão foi tomada em assembleia realizada na noite desta quarta- feira, na sede do Sinmed, em Niterói, em conjunto com o CREMERJ, a pedido dos médicos que prestam serviços em várias unidades de saúde do município, sem a caracterização de vínculo empregatício.
Esta reunião foi agendada pelo presidente do Sinmed de Niterói, São Gonçalo e Região, Clóvis Abrahim Cavalcanti, após receber centenas de queixas de médicos que trabalham em Niterói, pelo menos há cinco anos, recebendo por RPA, sem qualquer garantia trabalhista como férias, licença, décimo-terceiro salário, FGTS, ausência de data-base para recebimento de salário e atrasos nos pagamentos.

Além de dezenas de profissionais de Saúde presentes, estavam os diretores do Sinmed de Niterói, São Gonçalo e Região, Dilva Frizoll, Ilva Ferreira e Washington Araújo, e os conselheiros do CREMERJ Erika Reis, Amaro Alexandre e Nélson Nahoun.

 

Ministério Público debate pagamento
por RPA com Sinmed e CREMERJ

Depois da reunião com o secretário municipal de Saúde de Niterói, Francisco D’Ângelo, o Sindicato dos Médicos de Niterói, São Gonçalo e Região desta vez foi recebido, juntamente com conselheiros do CREMERJ, pelo Titular da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Saúde da Região Metropolitana II, Vinicius Leal Cavalleiro. Nos dois encontros foi debatida a relação de trabalho entre o município de Niterói e os médicos que recebem seus vencimentos através de RPA (autônomos).
As comissões do SINMED Niterói, São Gonçalo e Região e do CREMERJ ouviram do promotor público Vinícius Leal que toda as medidas cabíveis serão tomadas pelo MP para que os médicos tenham suas garantias trabalhistas asseguradas. O promotor adiantou ainda que está fazendo um levantamento de quantos profissionais de Saúde estão trabalhando de forma irregular para que, depois disso, possa agendar uma reunião com as autoridades da administração niteroiense.
Estiveram no Ministério Público os diretores do Sinmed de Niterói, São Gonçalo e Região, Clóvis Abrahim Cavalcanti e Dilva Frizolli, e pelo CREMERJ Ilva Ferreira e Nélson Nahoun, além do médico Henrique Pazzini, representando os médicos que recebem por   RPA.

 

DESPESAS DO MÉDICO

Água
Luz
Telefone
Escola
Vestuário
Alimentação
Financiamento de casa / aluguel
Financiamento do carro
Plano de saúde
IPTU
IPVA
Etc...

CONDIÇÕES DE TRABALHO

Baixos salários
Dependências insalubres
Agressões físicas
Danos morais
Falta de equipamentos e medicamentos
Profissão não regulamentada
Superlotação nos hospitais
Falta de uma política de Saúde
Interferência política
Falta de recursos públicos
Medicina de guerra
(ferimentos por balas de fuzis AR 15,
granadas, entre outros)

 

 

 

FALTA DE ATENDIMENTO PRIMÁRIO. PERIGO!
 
Com a ausência de atendimento primário, Ambulatórios, Postos de Saúde, Programa de Saúde da Família plenamente funcionante, dentre outros serviços de atendimentos médicos para a população, as UPAs, passam a ser, "Unidade de Passa Adiante". O atendimento é apenas com melhora momentânea, mas sem continuidade e resolução, o problema na saúde recrudescerá e os pacientes continuarão a sobrecarregar as emergências, lotando os corredores e lamentavelmente falecendo.

IDEALISMO

EXISTEM PESSOAS QUE, POR IDEALISMO FAZEM QUESTÃO  DE LUTAR PELA COLETIVIDADE. AINDA BEM !

SINMED: LUTANDO PELOS DIREITOS DOS MÉDICOS, E POR UMA SAÚDE PÚBLICA DIGNA PARA TODOS.

..........................................................................................................................

 

NOSSO SINDICATO

O nosso SINDICATO continua lutando pelo término do trabalho precário, com ausência dos direitos trabalhistas como: licença maternidade e médica, férias, 13º salário, aumento salarial anual, dentre outros.

Só com a participação de todos seremos vitoriosos!

 

MEDIDA PROVISÓRIA 568

Com a união de todos, médicos e entidades médicas, foi sancionada a MP 568. Não podemos negligenciar nossos direitos. Só com a participação de todos conseguiremos nossas vitórias !

 

O SINMED EM AÇÃO.

 

 

 

 
SINDICATO DOS MÉDICOS DE NITERÓI, SÃO GONÇALO, MARICÁ, RIO BONITO,
MAGÉ, SILVA JARDIM, ITABORAÍ, GUAPIMIRIM E TANGUÁ
AV. ROBERTO SILVEIRA, 123 - ICARAÍ - NITERÓI - RJ - CEP:24230-150

produced by ACE PRODUÇÕES
contador de acessos
ACESSOS
 
1192-1489-8753-5910-6365-1093